Base Cartográfica
 

A empresa produz bases cartográficas em diversas escalas dependendo da finalidade do contratante e são geradas por processos aerofotogramétricos utilizando equipamentos com tecnologia de ponta.

Para a geração da base cartográfica, as seguintes etapas são realizadas:

  • Voo aerofotogramétrico ou foto de acervo;
  • Apoio suplementar;
  • Aerotriangulação;
  • Restituição;
  • Reambulação; e,
  • Edição gráfica.

O apoio suplementar é composto por pontos estabelecidos por levantamentos geodésicos, para controle de fotografias usadas no mapeamento. Estes pontos devem ser fotoidentificados, isto é, os pontos do terreno precisam ser correlacionados com suas respectivas imagens na fotografia.

A aerotriangulação é o processo da extensão do controle horizontal ou vertical, por meio do qual as medições de ângulo ou de distâncias em fotografias aéreas estereoscópicas têm relação com uma solução espacial, usando-se os princípios da perspectiva das fotografias.

A restituição é o processo de elaboração de mapas a partir de fotografias aéreas métricas e de dados de controle geodésico, por meio de instrumentos ou sistemas fotogramétricos, consistindo na transferência dos elementos da imagem fotográfica sob a forma de vetores.

A reambulação é o processo de verificação e identificação, em campo, de detalhes fotográficos que não puderam ser interpretados na restituição, como nomes de ruas, prédios públicos ou detalhes encobertos por sombras.

A edição gráfica é a arte de finalização e validação de uma base cartográfica antes da entrega do produto ao cliente.

Essas definições foram extraídas do “Dicionário Cartográfico”, 4ª Ed., Cêurio de Oliveira, Rio de Janeiro, 1993.